EmiliaNews

1440x720-Tema1.jpg

 

 

1/10

Estudantes é vítima frequente de bullying.

17,5%

Sofrem bullying mais de uma vez no mês.

7,8%

São excluídos pelos colegas.

9,3%

São alvo de piadas

4,1%

São ameaçados

 

 

 *Dados do último levantamento do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), 2015. Participaram desta edição 540 mil estudantes de 15 anos que, por amostragem, representam 29 milhões de alunos de 72 países.

 

 De acordo com o Código Civil Brasileiro, o bullying é crime e resulta em pena ao agressor, podendo ser advertência ou até mesmo restrição de liberdade. Alessandra Borelli, advogada e coordenadora do Manual de Boas Práticas para Uso Seguro das Redes Sociais da Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo (OAB/SP) e coordenadora do guia Conhecendo para Prevenir Bullying e Cyberbullying, explica as consequências de causar dano moral ou físico ao outro e lembra ser obrigação do agressor e dos pais reparar a ofensa. “Logo, se um menor for responsável pela prática de bullying, muito embora a legislação privilegie a adoção de medidas voltadas à orientação e resgate da boa disciplina, nada impede que a vítima promova medidas legais buscando a reparação dos danos suportados”, destaca. Ainda de acordo com Alessandra é responsabilidade de todos, família e escola, prestar ajuda necessária a vítimas de bullying, com o intuito de aliviar as consequências da agressão. “Considerando os aspectos morais que alicerçam as relações entre pais e filhos, alunos, escola e sociedade em geral, todos somos responsáveis e se, ao notarmos sinais de vítimas ou agressores em nossos filhos e alunos, devemos agir tempestivamente. Famílias e escolas precisam caminhar juntas”, pontua.